ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular

ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular

Tributação é um assunto complicado e que gera muitas revoltas, especialmente no Brasil. Mas se você deseja ser um bom gestor para o seu negócio, se inteirar desse assunto é fundamental. Conhecer impostos como o ICMS é importante e deve fazer parte do repertório de qualquer empreendedor, independente do tipo de empresa que você tenha. Talvez você nunca tenha parado para pensar nisso ou entender o passo a passo de como calcular o ICMS. Mas se você vende produtos ou serviços, precisa ter esse conhecimento. Quer saber de uma vez por todas o que é o ICMS, para que serve e como calculá-lo? Continue a leitura!

O que é ICMS e quais as incidências

ICMS quer dizer “Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Produtos”. É um dos principais impostos cobrados no Brasil.

A lei que regulamenta a cobrança do ICMS é a lei complementar nº 87, criada inicialmente em 13 de setembro de 1996. Também chamada de Lei Kandir, ela explica que o ICMS incide sobre oito operações principais:

  • A circulação de produtos entre cidades e Estados;

  • Venda de alimentos e bebidas em bares e restaurantes;

  • Os serviços de transporte entre vários Estados ou municípios;

  • Os serviços de telecomunicações;

  • Importação de bens, seja por pessoa física ou jurídica;

  • Serviços prestados no exterior (ou que tenham iniciado no exterior);

  • Entrada de petróleo, lubrificantes e combustíveis, e de energia elétrica;

  • Fornecimento de produtos com prestação de serviços não compreendidos na competência tributária dos municípios.

Ou seja, o imposto ICMS incide quando um produto ou serviço tributável circula entre cidades e estados, ou de pessoas jurídicas para pessoas físicas. Vale destacar que o ICMS é aplicado não só em mercadorias comercializadas no Brasil, como também em bens importados. 

A Receita Federal alega que o ICMS é um imposto fundamental para a receita dos estados e municípios, uma vez que o valor arrecadado é investido em serviços de segurança, saúde, educação e custeio da máquina pública. O ICMS é controlado pelos Estados Federais. Por isso, a alíquota deste imposto varia de acordo com o Estado onde a empresa está localizada e também depende do produto.

O ICMS incide diretamente sobre os produtos ou serviços, e portanto não é um imposto que é cobrado diretamente no Imposto de Renda. Ou seja, é necessário (e recomendado) consultar um contador e/ou a tabela ICMS para descobrir a porcentagem para o cálculo de valor da alíquota interestadual.

Quais são os tipos de ICMS?

Existem basicamente três tipos de impostos sobre a circulação de mercadorias e serviços:

  • ICMS Normal: faz parte do conjunto de impostos pagos mensalmente pelas empresas de tributação normal, incluindo o Simples Nacional (MEI);

  • ICMS-ST Substituição Tributária: esse tipo incide sobre alguns produtos e operações interestaduais;

  • ICMS diferencial de alíquota: incide sobre a compra de mercadorias de outros estados.

Quem paga ICMS e quem é isento?

É muito difícil alguém ficar de fora do pagamento de ICMS, uma vez que praticamente todas as transações de venda e importação de produtos, transportes e prestação de serviços estão sujeitas à incidência desse tributo. 

A aplicação do ICMS se dá quando o titular do produto ou serviço passa a posse deste para o comprador, independente dele ser pessoa física ou jurídica. Ou seja, o imposto é cobrado quando o produto é vendido (ou o serviço é prestado), pois nessa situação o cliente passa a ser o titular do produto ou atividade.

Isso significa que qualquer pessoa (física ou jurídica) que participe do processo circular da compra de um produto ou serviço é considerada contribuinte, mesmo que de forma indireta, pois o valor do imposto é sempre aplicado ao valor final da mercadoria. 

Vale destacar que o ICMS se aplica sobre a maior parte das operações, nos mais variados setores, como: indústria, comércio, bebidas e alimentos, combustíveis, serviços de transporte e telecomunicação, importação de mercadorias e medicamentos. Existem poucas atividades que não recebem incidência do ICMS, são elas:

  • Venda e circulação de livros e papéis destinados à impressão (jornais etc);

  • Exportação de bens e produtos primários semielaborados;

  • Produção de energia e combustíveis;

  • Atividades ligadas ao ouro (em casos de definição deste como ativo financeiro ou câmbio);

  • Compra de veículos para taxistas ou para pessoas com deficiência;

  • Comercialização de hortifrutigranjeiros já embalados ou resfriados. 

Quem trabalha com as atividades da lista acima está isento do pagamento do ICMS, nesses casos.

Quem é MEI também deve contribuir com o ICMS, caso o CNAE da empresa seja relacionada a alguns dos serviços que devem pagar o imposto. Nesses casos, o pagamento é feito diretamente através da DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

Como calcular o ICMS

Para calcular o ICMS, você precisa multiplicar o preço do seu produto ou serviço pela alíquota de ICMS referente ao estado em que a transação acontece. Como o ICMS é um imposto estadual, para saber a alíquota é necessário procurar a Secretaria da Fazenda (SEFAZ) do seu estado.

Por exemplo: caso um produto que custa R$ 100,00 seja comercializado em um estado que tem alíquota de ICMS de 17%, o cálculo do imposto é R$ 100 X 17%, o que resulta em R$ 117,00. Portanto, o valor do ICMS nessa mercadoria seria de R$ 17,00.

Para 2022, as movimentações internas (isso é, dentro do estado – com exceção das alíquotas diferenciadas, estabelecidas por cada estado) foram estabelecidas segundo a lista abaixo:

Acre – 17%

Alagoas – 17% 

Amazonas – 18%

Amapá – 18%

Bahia – 18%

Ceará – 18%

Distrito Federal – 18%

Espírito Santo – 17%

Goiás -17%

Maranhão – 18%

Mato Grosso – 17%

Mato Grosso do Sul – 17%

Minas Gerais – 18%

Pará – 17%

Paraíba – 18%

Paraná – 18%;

Pernambuco – 18%

Piauí – 17% 

Rio Grande do Norte – 18%

Rio Grande do Sul – 17% 

Rio de Janeiro – 18% 

Rondônia – 17,5%

Roraima – 17%

Santa Catarina – 17%

São Paulo – 18%

Sergipe – 18%

Tocantins – 18%

Apesar dessas alíquotas-padrão serem estabelecidas pelos Estados em seus Regulamentos de ICMS, elas podem ser diferentes para algumas operações. É o caso, por exemplo, da comercialização de alguns produtos, como cigarros e bebidas alcóolicas, na qual não são aplicáveis as alíquotas da tabela, uma vez que esses produtos são considerados não essenciais e prejudiciais à saúde.

Nesta situação, existe uma alíquota específica e diferenciada que pode chegar até 30%. Operações com combustíveis e energia elétrica, também utilizam alíquotas diferenciadas. É por isso que é sempre importante consultar o regulamento do Estado para se aplicar a alíquota correta.

A MARCA REGISTRADA GERA LUCRO À SUA EMPRESA!

A marca registrada é adicionada na contagem da mensuração do valor da empresa, aumentando o valor percebido perante investidores e valor final das ações, aplicações e vendas.

Fale com nossos especialistas
Register Logos

Inicie seu registro agora. É fácil e seguro

Transformamos um procedimento burocrático em uma experiência satisfatória.

É aqui que você vai ter tranquilidade e acompanhamento do início ao fim.

Nosso serviço é para todas as pessoas que possuem uma marca própria, seja você pessoa física ou jurídica, grande ou individual.

Nossas Redes Sociais

Nossos embaixadores de marca

Next

Mais de 26 mil seguidores no Instagram!

ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular

ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular ICMS: o que é, quem precisa pagar e como calcular

Tributação é um assunto complicado e que gera muitas revoltas, especialmente no Brasil. Mas se você deseja ser um bom gestor para o seu negócio, se inteirar desse assunto é fundamental. Conhecer impostos como o ICMS é importante e deve fazer parte do repertório de qualquer empreendedor, independente do tipo de empresa que você tenha. Talvez você nunca tenha parado para pensar nisso ou entender o passo a passo de como calcular o ICMS. Mas se você vende produtos ou serviços, precisa ter esse conhecimento. Quer saber de uma vez por todas o que é o ICMS, para que serve e como calculá-lo? Continue a leitura!

O que é ICMS e quais as incidências

ICMS quer dizer “Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Produtos”. É um dos principais impostos cobrados no Brasil.

A lei que regulamenta a cobrança do ICMS é a lei complementar nº 87, criada inicialmente em 13 de setembro de 1996. Também chamada de Lei Kandir, ela explica que o ICMS incide sobre oito operações principais:

  • A circulação de produtos entre cidades e Estados;

  • Venda de alimentos e bebidas em bares e restaurantes;

  • Os serviços de transporte entre vários Estados ou municípios;

  • Os serviços de telecomunicações;

  • Importação de bens, seja por pessoa física ou jurídica;

  • Serviços prestados no exterior (ou que tenham iniciado no exterior);

  • Entrada de petróleo, lubrificantes e combustíveis, e de energia elétrica;

  • Fornecimento de produtos com prestação de serviços não compreendidos na competência tributária dos municípios.

Ou seja, o imposto ICMS incide quando um produto ou serviço tributável circula entre cidades e estados, ou de pessoas jurídicas para pessoas físicas. Vale destacar que o ICMS é aplicado não só em mercadorias comercializadas no Brasil, como também em bens importados. 

A Receita Federal alega que o ICMS é um imposto fundamental para a receita dos estados e municípios, uma vez que o valor arrecadado é investido em serviços de segurança, saúde, educação e custeio da máquina pública. O ICMS é controlado pelos Estados Federais. Por isso, a alíquota deste imposto varia de acordo com o Estado onde a empresa está localizada e também depende do produto.

O ICMS incide diretamente sobre os produtos ou serviços, e portanto não é um imposto que é cobrado diretamente no Imposto de Renda. Ou seja, é necessário (e recomendado) consultar um contador e/ou a tabela ICMS para descobrir a porcentagem para o cálculo de valor da alíquota interestadual.

Quais são os tipos de ICMS?

Existem basicamente três tipos de impostos sobre a circulação de mercadorias e serviços:

  • ICMS Normal: faz parte do conjunto de impostos pagos mensalmente pelas empresas de tributação normal, incluindo o Simples Nacional (MEI);

  • ICMS-ST Substituição Tributária: esse tipo incide sobre alguns produtos e operações interestaduais;

  • ICMS diferencial de alíquota: incide sobre a compra de mercadorias de outros estados.

Quem paga ICMS e quem é isento?

É muito difícil alguém ficar de fora do pagamento de ICMS, uma vez que praticamente todas as transações de venda e importação de produtos, transportes e prestação de serviços estão sujeitas à incidência desse tributo. 

A aplicação do ICMS se dá quando o titular do produto ou serviço passa a posse deste para o comprador, independente dele ser pessoa física ou jurídica. Ou seja, o imposto é cobrado quando o produto é vendido (ou o serviço é prestado), pois nessa situação o cliente passa a ser o titular do produto ou atividade.

Isso significa que qualquer pessoa (física ou jurídica) que participe do processo circular da compra de um produto ou serviço é considerada contribuinte, mesmo que de forma indireta, pois o valor do imposto é sempre aplicado ao valor final da mercadoria. 

Vale destacar que o ICMS se aplica sobre a maior parte das operações, nos mais variados setores, como: indústria, comércio, bebidas e alimentos, combustíveis, serviços de transporte e telecomunicação, importação de mercadorias e medicamentos. Existem poucas atividades que não recebem incidência do ICMS, são elas:

  • Venda e circulação de livros e papéis destinados à impressão (jornais etc);

  • Exportação de bens e produtos primários semielaborados;

  • Produção de energia e combustíveis;

  • Atividades ligadas ao ouro (em casos de definição deste como ativo financeiro ou câmbio);

  • Compra de veículos para taxistas ou para pessoas com deficiência;

  • Comercialização de hortifrutigranjeiros já embalados ou resfriados. 

Quem trabalha com as atividades da lista acima está isento do pagamento do ICMS, nesses casos.

Quem é MEI também deve contribuir com o ICMS, caso o CNAE da empresa seja relacionada a alguns dos serviços que devem pagar o imposto. Nesses casos, o pagamento é feito diretamente através da DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

Como calcular o ICMS

Para calcular o ICMS, você precisa multiplicar o preço do seu produto ou serviço pela alíquota de ICMS referente ao estado em que a transação acontece. Como o ICMS é um imposto estadual, para saber a alíquota é necessário procurar a Secretaria da Fazenda (SEFAZ) do seu estado.

Por exemplo: caso um produto que custa R$ 100,00 seja comercializado em um estado que tem alíquota de ICMS de 17%, o cálculo do imposto é R$ 100 X 17%, o que resulta em R$ 117,00. Portanto, o valor do ICMS nessa mercadoria seria de R$ 17,00.

Para 2022, as movimentações internas (isso é, dentro do estado – com exceção das alíquotas diferenciadas, estabelecidas por cada estado) foram estabelecidas segundo a lista abaixo:

Acre – 17%

Alagoas – 17% 

Amazonas – 18%

Amapá – 18%

Bahia – 18%

Ceará – 18%

Distrito Federal – 18%

Espírito Santo – 17%

Goiás -17%

Maranhão – 18%

Mato Grosso – 17%

Mato Grosso do Sul – 17%

Minas Gerais – 18%

Pará – 17%

Paraíba – 18%

Paraná – 18%;

Pernambuco – 18%

Piauí – 17% 

Rio Grande do Norte – 18%

Rio Grande do Sul – 17% 

Rio de Janeiro – 18% 

Rondônia – 17,5%

Roraima – 17%

Santa Catarina – 17%

São Paulo – 18%

Sergipe – 18%

Tocantins – 18%

Apesar dessas alíquotas-padrão serem estabelecidas pelos Estados em seus Regulamentos de ICMS, elas podem ser diferentes para algumas operações. É o caso, por exemplo, da comercialização de alguns produtos, como cigarros e bebidas alcóolicas, na qual não são aplicáveis as alíquotas da tabela, uma vez que esses produtos são considerados não essenciais e prejudiciais à saúde.

Nesta situação, existe uma alíquota específica e diferenciada que pode chegar até 30%. Operações com combustíveis e energia elétrica, também utilizam alíquotas diferenciadas. É por isso que é sempre importante consultar o regulamento do Estado para se aplicar a alíquota correta.

Register Logos

Inicie seu registro agora. É fácil e seguro

Transformamos um procedimento burocrático em uma experiência satisfatória.

É aqui que você vai ter tranquilidade e acompanhamento do início ao fim.

Nosso serviço é para todas as pessoas que possuem uma marca própria, seja você pessoa física ou jurídica, grande ou individual.

A MARCA REGISTRADA GERA LUCRO À SUA EMPRESA!

A marca registrada é adicionada na contagem da mensuração do valor da empresa, aumentando o valor percebido perante investidores e valor final das ações, aplicações e vendas.

Fale com nossos especialistas

Nossos embaixadores de marca

Next

Mais de 26 mil seguidores no Instagram!