Auditoria contábil: o que é e para que serve?

Auditoria contábil: o que é e para que serve? Auditoria contábil: o que é e para que serve?

A auditoria contábil desempenha um papel fundamental para garantir que as contas de uma empresa sejam precisas e que as finanças sejam distribuídas da maneira mais justa ou eficiente. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

O que é auditoria contábil?

A auditoria contábil engloba um conjunto de processos que tem como foco avaliar os documentos contábeis da empresa, atestando sua veracidade ou irregularidade. Esse processo consiste em examinar documentos como:

  • Livros contábeis

  • Notas fiscais

  • Extratos bancários, e outros registros como o DRE (Demonstração de Resultado de Exercício), para examinar se os valores computados são coerentes com a situação patrimonial da empresa.

Mas checar a veracidade das informações não é o único objetivo da auditoria contábil. Essa atividade também permite identificar erros de lançamentos, falhas na gestão administrativa ou financeira e até mesmo fraudes nos documentos. Ademais, garante que os dados estejam em conformidade com as leis vigentes no país, o que possibilita maior assertividade na prestação de contas aos órgãos federais, estaduais e municipais.

A auditoria contábil difere de funções como gerenciamento de ativos e bancos de investimento, pois se concentra em objetivos relacionados à governança e conformidade, em vez de aumentar as finanças de uma empresa. É um processo que trata de garantir que os números financeiros de uma organização façam sentido. Nenhuma pedra é deixada sobre pedra ao proteger a saúde financeira de uma organização.

Esse processo de auditoria contábil pode ser feito de duas maneiras: 

Auditoria interna

Grandes empresas, particularmente aquelas em setores altamente regulamentados, como finanças e setor público, tendem a contratar contadores de auditoria para ajudá-los a obter conformidade e responsabilidade na área financeira.

Além de garantir que os livros sejam equilibrados e que todas as entradas e saídas sejam contabilizadas, um auditor interno identifica as áreas em que o negócio pode se tornar mais eficiente, principalmente na compra de suprimentos para vários locais. Essa pessoa, nesse caso, é alguém de dentro da própria empresa.

Auditoria externa

Já a auditoria externa é feita por um auditor independente, que não faz parte do corpo organizacional da empresa. É um processo que se torna mais impessoal e que pode revelar a verdadeira situação financeira do negócio.

O foco desse tipo de auditoria é a avaliação de processos e da forma como eles são documentados, com o intuito de averiguar a necessidade de se realizar mudanças ou melhorias nos mais diversos setores da empresa, como o contábil, financeiro e administrativo.

Vale destacar que a auditoria externa tem um papel diagnóstico e, principalmente, preventivo. Isso permite que a empresa corrija seu percurso a fim de evitar complicações desnecessárias, como erros em demonstrações contábeis ou pagamento indevido de tributos.

Quando realizar uma auditoria contábil na sua empresa

A auditoria contábil é um processo versátil e muito amplo, por isso pode ser implementada por empresas de todos os tamanhos e setores. O ideal é contar com a ajuda de um profissional da área, como um contador devidamente registrado no CRC (Conselho Regional de Contabilidade).

Os motivos que fazem uma empresa realizar uma auditoria variam e são muito relativos, pois cada negócio tem suas próprias necessidades. Mas as razões que mais vemos por aí são:

  • Quando o dono da empresa desconfia de desvios financeiros;

  • Quando os dados dos demonstrativos são suspeitos ou “não batem”, indicando fraudes;

  • Quando o empreendedor sente necessidade de entender melhor a situação patrimonial e financeira do negócio;

  • Quando a empresa vai receber investimentos de terceiros ou passar por um processo de fusão e aquisição;

  • Quando a empresa vai ser vendida

Como a auditoria contábil é realizada 

A construção de um bom relatório de auditoria deve seguir uma ordem cronológica. Geralmente, esse processo envolve quatro etapas importantes:

1. Análise preliminar da documentação contábil 

Para gerar um relatório de auditoria, o primeiro passo é compreender qual a situação atual da empresa. Por isso, a primeira coisa que um auditor vai fazer é analisar a documentação do negócio e buscar entender seus fluxos de informação e organização. Isso inclui todos os documentos internos da empresa que revelam como ela organiza seus processos e colaboradores.

Todos os demonstrativos (sejam eles bancários, de investimento, fluxo de caixa etc), bem como as folhas de pagamento, balanço patrimonial e demonstrativos de resultados (DRE) são documentos contábeis da empresa. Isso significa que todos eles devem ser examinados em uma auditoria contábil. 

Nessa fase os principais dados que o auditor vai avaliar são: receitas operacionais, despesas relacionadas com a prestação de serviço ou venda de produtos, custos administrativos e impostos. 

As informações que são utilizadas para a realização da DRE, por si só, já fazem parte dos documentos necessários para o processo de auditoria. São elas:

2. Organização do fluxo procedimental de autoria

A partir da etapa anterior, o auditor já será capaz de realizar algumas observações preliminares. Com essas informações, ele começará a organizar um fluxo de trabalho e de procedimentos que serão desenhados de forma estratégica para que a auditoria seja feita de forma eficiente.

Essa fase é basicamente uma organização da estratégia de trabalho. Nela, é essencial que o auditor contábil levante os principais instrumentos e procedimentos adotados. Assim, será possível compreender e demonstrar os resultados contábeis, bem como o quanto eles impactam no patrimônio da empresa.

3 – Avaliação e teste dos instrumentos adotados pela empresa

Os instrumentos e controles contábeis adotados por uma empresa impactam diretamente em seus resultados, mas também na maneira como eles são demonstrados e utilizados por outros fluxos de informação. Parte do processo de auditoria é testar esses recursos, com o objetivo de verificar se eles contribuem ou não para a realidade dos dados do período analisado.

4 – Construção do relatório final da auditoria

Depois da testagem e avaliação, chega-se à fase final da auditoria contábil: a construção do relatório com o parecer do auditor. Este documento deve conter não só os resultados e pareceres da auditoria em si, mas também, as adequações indicadas pelo auditor para uma melhor organização dos trabalhos. O legal desse processo é que todas as recomendações do auditor são acompanhadas por notas que justifiquem as sugestões.

A MARCA REGISTRADA GERA LUCRO À SUA EMPRESA!

A marca registrada é adicionada na contagem da mensuração do valor da empresa, aumentando o valor percebido perante investidores e valor final das ações, aplicações e vendas.

Fale com nossos especialistas
Register Logos

Nossas Redes Sociais

Nossos embaixadores de marca

Next

Mais de 50 mil seguidores no Instagram!

Auditoria contábil: o que é e para que serve?

Auditoria contábil: o que é e para que serve? Auditoria contábil: o que é e para que serve?

A auditoria contábil desempenha um papel fundamental para garantir que as contas de uma empresa sejam precisas e que as finanças sejam distribuídas da maneira mais justa ou eficiente. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

O que é auditoria contábil?

A auditoria contábil engloba um conjunto de processos que tem como foco avaliar os documentos contábeis da empresa, atestando sua veracidade ou irregularidade. Esse processo consiste em examinar documentos como:

  • Livros contábeis

  • Notas fiscais

  • Extratos bancários, e outros registros como o DRE (Demonstração de Resultado de Exercício), para examinar se os valores computados são coerentes com a situação patrimonial da empresa.

Mas checar a veracidade das informações não é o único objetivo da auditoria contábil. Essa atividade também permite identificar erros de lançamentos, falhas na gestão administrativa ou financeira e até mesmo fraudes nos documentos. Ademais, garante que os dados estejam em conformidade com as leis vigentes no país, o que possibilita maior assertividade na prestação de contas aos órgãos federais, estaduais e municipais.

A auditoria contábil difere de funções como gerenciamento de ativos e bancos de investimento, pois se concentra em objetivos relacionados à governança e conformidade, em vez de aumentar as finanças de uma empresa. É um processo que trata de garantir que os números financeiros de uma organização façam sentido. Nenhuma pedra é deixada sobre pedra ao proteger a saúde financeira de uma organização.

Esse processo de auditoria contábil pode ser feito de duas maneiras: 

Auditoria interna

Grandes empresas, particularmente aquelas em setores altamente regulamentados, como finanças e setor público, tendem a contratar contadores de auditoria para ajudá-los a obter conformidade e responsabilidade na área financeira.

Além de garantir que os livros sejam equilibrados e que todas as entradas e saídas sejam contabilizadas, um auditor interno identifica as áreas em que o negócio pode se tornar mais eficiente, principalmente na compra de suprimentos para vários locais. Essa pessoa, nesse caso, é alguém de dentro da própria empresa.

Auditoria externa

Já a auditoria externa é feita por um auditor independente, que não faz parte do corpo organizacional da empresa. É um processo que se torna mais impessoal e que pode revelar a verdadeira situação financeira do negócio.

O foco desse tipo de auditoria é a avaliação de processos e da forma como eles são documentados, com o intuito de averiguar a necessidade de se realizar mudanças ou melhorias nos mais diversos setores da empresa, como o contábil, financeiro e administrativo.

Vale destacar que a auditoria externa tem um papel diagnóstico e, principalmente, preventivo. Isso permite que a empresa corrija seu percurso a fim de evitar complicações desnecessárias, como erros em demonstrações contábeis ou pagamento indevido de tributos.

Quando realizar uma auditoria contábil na sua empresa

A auditoria contábil é um processo versátil e muito amplo, por isso pode ser implementada por empresas de todos os tamanhos e setores. O ideal é contar com a ajuda de um profissional da área, como um contador devidamente registrado no CRC (Conselho Regional de Contabilidade).

Os motivos que fazem uma empresa realizar uma auditoria variam e são muito relativos, pois cada negócio tem suas próprias necessidades. Mas as razões que mais vemos por aí são:

  • Quando o dono da empresa desconfia de desvios financeiros;

  • Quando os dados dos demonstrativos são suspeitos ou “não batem”, indicando fraudes;

  • Quando o empreendedor sente necessidade de entender melhor a situação patrimonial e financeira do negócio;

  • Quando a empresa vai receber investimentos de terceiros ou passar por um processo de fusão e aquisição;

  • Quando a empresa vai ser vendida

Como a auditoria contábil é realizada 

A construção de um bom relatório de auditoria deve seguir uma ordem cronológica. Geralmente, esse processo envolve quatro etapas importantes:

1. Análise preliminar da documentação contábil 

Para gerar um relatório de auditoria, o primeiro passo é compreender qual a situação atual da empresa. Por isso, a primeira coisa que um auditor vai fazer é analisar a documentação do negócio e buscar entender seus fluxos de informação e organização. Isso inclui todos os documentos internos da empresa que revelam como ela organiza seus processos e colaboradores.

Todos os demonstrativos (sejam eles bancários, de investimento, fluxo de caixa etc), bem como as folhas de pagamento, balanço patrimonial e demonstrativos de resultados (DRE) são documentos contábeis da empresa. Isso significa que todos eles devem ser examinados em uma auditoria contábil. 

Nessa fase os principais dados que o auditor vai avaliar são: receitas operacionais, despesas relacionadas com a prestação de serviço ou venda de produtos, custos administrativos e impostos. 

As informações que são utilizadas para a realização da DRE, por si só, já fazem parte dos documentos necessários para o processo de auditoria. São elas:

2. Organização do fluxo procedimental de autoria

A partir da etapa anterior, o auditor já será capaz de realizar algumas observações preliminares. Com essas informações, ele começará a organizar um fluxo de trabalho e de procedimentos que serão desenhados de forma estratégica para que a auditoria seja feita de forma eficiente.

Essa fase é basicamente uma organização da estratégia de trabalho. Nela, é essencial que o auditor contábil levante os principais instrumentos e procedimentos adotados. Assim, será possível compreender e demonstrar os resultados contábeis, bem como o quanto eles impactam no patrimônio da empresa.

3 – Avaliação e teste dos instrumentos adotados pela empresa

Os instrumentos e controles contábeis adotados por uma empresa impactam diretamente em seus resultados, mas também na maneira como eles são demonstrados e utilizados por outros fluxos de informação. Parte do processo de auditoria é testar esses recursos, com o objetivo de verificar se eles contribuem ou não para a realidade dos dados do período analisado.

4 – Construção do relatório final da auditoria

Depois da testagem e avaliação, chega-se à fase final da auditoria contábil: a construção do relatório com o parecer do auditor. Este documento deve conter não só os resultados e pareceres da auditoria em si, mas também, as adequações indicadas pelo auditor para uma melhor organização dos trabalhos. O legal desse processo é que todas as recomendações do auditor são acompanhadas por notas que justifiquem as sugestões.

Register Logos

A MARCA REGISTRADA GERA LUCRO À SUA EMPRESA!

A marca registrada é adicionada na contagem da mensuração do valor da empresa, aumentando o valor percebido perante investidores e valor final das ações, aplicações e vendas.

Fale com nossos especialistas

Nossos embaixadores de marca

Next

Mais de 50 mil seguidores no Instagram!